Total de visualizações de página

sábado, 5 de dezembro de 2015

Prepare a sua carteira para a entrada no ano novo

Saiba como é que a entrada de 2016 pode mexer na sua carteira.



Com o novo ano à porta, vale a pena fazer contas ao que vai gastar a mais (ou a menos) em 2016. Luz, comunicações e banca podem fazer maior mossa na sua carteira, já no IMI estima-se que haja um alívio.

De acordo com o jornal i, o preço daeletricidade vai subir 2,5% para a generalidade dos clientes e 0,9% para os que usufruem da tarifa social. A proposta da Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE) ainda tem de ser validada.
Já na água, a realidade pode ser diferente em função da área a residência de cada contribuinte. Com a harmonização das tarifas, espera-se um aumento dos preços no Litoral e uma redução no Interior do país.
Iguais para todos, independentemente da zona onde se resida, serão os aumentos nas telecomunicações, já anunciados pela Meo e pela Nos (entre 50 cêntimos e um euro), e na banca, nomeadamente nas comissões. A Caixa Geral de Depósitos é o banco em que as subidas serão mais acentuadas.
Praticamente inalterados ficarão os preços do pão e o valor das rendas, uma vez que a atualização com base na inflação será praticamente nula (0,16%). Algo semelhante acontece em relação às portagens, em que o valor não é suficiente para a atualização mínima de cinco cêntimos.
Se ainda não é conhecido o que acontecerá com os preços dos transportes públicos (em parte devido à indefinição sobre as subconcessões), na saúde sabe-se apenas que a interrupção voluntária de gravidez passa a ser paga (7,75 euros), que nas urgências hospitalares o utente não pode pagar mais de 50 euros e que as taxas moderadoras nos Serviços de Atendimento Permanente (SAP) custarão cinco euros ao invés dos atuais 10.
Manutenção de preços espera-se na maioria dos municípios no que toca ao IMI. Das 185 câmaras, 42 optou por descer e três (Felgueiras, Aveiro e Mourão) por subir o imposto, que se mantém inalterado nas restantes autarquias. Já em relação ao desconto para famílias com filhos, 123 já aderiram.
Fonte: NM

Nenhum comentário: